Muitas belezas estão guardadas para cada um de nós. Basta que nos aventuremos, assim como a protagonista desta história, uma menina esperta e curiosa com todos os sentidos abertos para as novas descobertas. Não à toa que a hora mais feliz do dia, para Clara, é quando o sol, um biscoito feito de manteiga e mel, vai dormir atrás das montanhas, e a menina sorrindo, com covinhas no rosto, volta para casa. Também pudera, em sua casa, o relógio é temperado com olhares, gestos e afagos. Anete, a mãe de Clara, polvilha as horas preparando bolos e o doce mais saboroso da vida, o amor. E assim, entre delicadezas e saborosos quitutes, Anete e Clara, untam a fôrma do dia a dia com poesia. (André Luís Oliveira, poeta e professor)